Ano Vieirino – 400 Anos Após o Nascimento de António Vieira

“Para falar ao vento bastam palavras. Para falar ao coração, é preciso obras” (Padre António Vieira)

Em 2008, celebraram-se os 400 anos do nascimento de António Vieira ou Padre António Vieira, um ícone da prosa Portuguesa e um dos mais aguerridos defensores dos direitos humanos que a História ouviu falar.

O ano vieirino é uma homenagem profunda a um homem que antes de ser religioso, teólogo, diplomata, conselheiro e orador era simplesmente alguém que acreditava nos ideais humanos e no respeito para com os necessitados e espoliados, independentemente de raça ou credo.

António Vieira nasce em Lisboa, no início do século XVII em 1608, e viria a assistir aos anos gloriosos após as Grandes Descobertas Marítimas de Portugal, à sucessão de dois reinados, à admiração de nobres, monarcas e religiosos, à acusação, perseguição e aprisionamento pela Inquisição por associação e defesa de judeus e dos indígenas locais na Colónia Brasileira. A sua vida foi dividida entre o Brasil e Portugal com várias incursões pela Europa, onde sempre deixou o seu cunho, sabedoria e registos artísticos de valor histórico e cultural notáveis.

A intenção de homenagear a obra escrita, bem como as acções do Padre António Vieira ganhou forma, conduzindo às comemorações do IV Centenário do ano vieirino. Este, foi celebrado e festejado entre 2008 e 2009 em congressos, exibições, concertos, seminários, documentários, e vários outros eventos e homenagens. O ano vieirino, pode-se mesmo dizer, foi celebrado um pouco por todo o mundo. Pretendeu-se reavivar a memória e dar a conhecer simultaneamente, os variados aspectos que caracterizam a obra conhecida de António Vieira. Em 1681 viaja definitivamente para o Brasil. O objetivo é compor e editar o que lhe vai na alma, no coração e na voz. É aí que morre em 1697, legando ao mundo as suas notáveis obras, onde se encontram Sermões e Cartas.ou a História do Futuro.

As suas obras escritas têm uma influência nitidamente religiosa, fruto da sua passagem pelo Colégio Jesuíta onde estudou e onde se fez teólogo. No entanto, o que viria a distinguir António Vieira dos outros homens seria a sua paixão, a sua sabedoria e o seu sentido de justiça. O seu magnetismo pessoal era transportado para as suas prosas, que são retratos férteis e históricos da sociedade política, económica e da História de Portugal. Ao longo dos séculos, os seus sermões e pensamentos continuaram, e continuam, a inspirar leitores de todo o mundo. Apesar disso, o reconhecimento para com o Padre António Vieira ficou muito aquém do que será justo, perigosamente vetado ao esquecimento.

O ano vieirino foi essencialmente um ano de sensibilização e de gratidão, para com este que é um dos homens de mais mérito que Portugal e o Brasil alguma vez conheceram.

Ano Vieirino – 400 Anos Após o Nascimento de António Vieira